Por não haver bases para a detenção na legislação sul-africana perante as acusações feitas ao ex-ministro das finanças e que por não haver motivos para a extradição do mesmo para os Estados Unidos da America.

Pressionada a procuradora sul-africana pela defesa de Manuel Chang pediu o adiamento da audição para esta quarta-feira, de modo a trazer mais evidencias com base na justiça sul-africana, sobre a legalização da extradição de Chang para os Estados Unidos da America.

 A juíza ouvindo assim ambas as partes concordou com a procuradora e assim decidiu adiar a audição para esta quarta-feira, dando à procuradoria a oportunidade de agir como foi solicitado pela mesma.

Audição essa que foi acompanhada pela presença da policia sul-africana, agentes da Interpol, jornalistas de todas as partes do mundo, membros das comunidades moçambicanas na áfrica do sul e membros da firma de advocacia renomada da áfrica do sul que faziam parte da defesa de Manuel Chang.

“Como a procuradora decidiu para o adiamento do caso para amanha a mesma hora do caso, o caso esta em discussão sendo para nos prematuro parecer quais quer tipo de consideração para esta questão” acrescentou o conselheiro da policia moçambicana na embaixada da áfrica do sul Zacarias Cossa.