A Universidade Eduardo Mondlane (UEM) foi a única lusófona universidade moçambicana no Ranking das 100 melhores de África.

Estando a UEM fora do ranking das 100 melhores de África Moçambique já não faz parte da lista porque não possui nenhuma outra com qualidade suficiente de ensino para representar o pais no ranking das 100 melhores de África

“Não constar nos rankings significa em palavras duras frontais um atestado de incompetência para as nossas instituições académicas” disse o académico e docente universitário Calton Cadeado

A falta de qualidade de infra-estruturas, a exiguidade de financiamento a pesquisa, a falta de internacionalização das universidades nacionais podem segundo o académico Calton Cadeado ter contribuído para a descida de Moçambique na lista das 100 melhores universidades africanas.

”Este atestado de incompetência tem de ser lido, tem de ser aceite, interpretado e acolhido como uma critica para melhorar as instituições académicas de modo que sejamos reconhecidos como instituições de excelência e de grande qualidade” acrescentou o académico docente universitário Calton Cadeado.

Segundo a opinião de alguns estudantes as infra-estruturas da universidade estão a perder a qualidade por não serem reabilitadas, e os novos docentes não possuem as qualidades desejadas.